+55 49
3331 5100
Postado em 23 de Março às 15h09

Participação MESSTECHNIK em feiras de negócios na região oeste de Santa Catarina

Novidades (3)
Messtechnik | Instalação e manutenção de estações de medição anemométrica | Sensor e potencial eólico Em março de 2018 a MESSTECHNIK – Comércio e Instrumentações LTDA participará de duas feiras em...

Em março de 2018 a MESSTECHNIK – Comércio e Instrumentações LTDA participará de duas feiras em Chapecó, SC, expondo seus produtos, e soluções, na área de energias renováveis. A capital do oeste catarinense e também sede da empresa ocupa hoje o sexto lugar na economia do estado e é a principal cidade de uma região econômica com cerca de 200 municípios.

A feira EletroMetalMecânica acontecerá nos dias 06,07,08,09 de março no pavilhão 4 do Parque de Exposições Tancredo Neves. Sendo uma feira e congresso de tecnologia para a indústria eletromecânica. O foco da feira é expor a maior disponibilidade de tecnologias e inovações ao setor frigorífico da região, além da produção de máquinas equipamentos e peças inox, automação industrial TI, automação ambiental, serviços industriais, engenharia de produção e medição de controle de processos. A feira sucede a duas mostras anteriores, Metalplast-Feira metal Mecânica e Plásticos que teve quatro edições, e a feira metalmecânico+Corte e Conformação que contou com duas edições. Como eventos paralelos, haverá o Congresso Técnico do Setor Eletrometalmecânico e rodada de negócios. A estimativa dos organizadores é de que participem 130 expositores.

Já a EXPEN é a primeira feira do Sul do Brasil a unir multissoluções em serviços, gestão e tecnologia. Irá acontecer em sua quarta edição nos dias 14,15,16 de março no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nês, sendo o tema de 2018 “Transformação Digital para o seu negócio” e tem como objetivo trazer para a cultura e economia local, diferenciais competitivos para empresários garantirem um lugar no futuro digital. Serão mais de 70 empresas expositores, um publico de 15 mil visitantes com previsão em 15 milhões em negócios. A feira pretender contribuir com o avanço da cultura e inovação na região, por meio de palestras e workshops gratuitos.

Evento: Eletro Metal Mecânica
Data: 06 a 09 de março
Local: Parque de Exposições Tancredo Neves, Chapecó (SC)
Site: www.eletrometalmecanica.com.br

Evento: Expen
Data: 14 a 16 de março
Local: Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nês, Chapecó (SC)
Site: www.expen.com.br


Postado em 23 de Março às 15h08

Maior destaque na energia eólica no cenário brasileiro

Novidades (3)
Messtechnik | Instalação e manutenção de estações de medição anemométrica | Sensor e potencial eólico Após um período de dois anos sem contratação de novas usinas, as empresas tinham grande interesse em participar dos...

Após um período de dois anos sem contratação de novas usinas, as empresas tinham grande interesse em participar dos dois leilões realizados pelo Ministério de Minas e Energia (MME). Os Leilões de Energia Nova “A-4” e A-6” realizados, respectivamente, no dia 18 de dezembro e 20 de dezembro foram marcados pela forte concorrência. E isso trouxe resultados positivos.

No leilão “A-4”, o custo médio da energia eólica foi de R$ 108,00/MWh. Significativamente mais baixo que comparado as outras matrizes energéticas, por exemplo: os preços médios de venda por produto foram R$ 181,63/MWh (hidrelétrica), R$ 234,92/MWh (biomassa) e R$ 145,68/MWh (solar).

De acordo com Elbia Gannoum, presidente-executiva da Abeeolica, ainda é cedo para falar em um novo patamar de preços.

“Foi o primeiro leilão em dois anos. Precisaremos de mais tempo para entender melhor esse deságio, que reflete diversos fatores, como queda de juros, menor custo de capital, negociação com fabricantes. Cada empreendedor tem sua estratégia. O mais importante é a retomada dos investimentos.”

Tudo isso se reflete nos resultados. O leilão realizado na quarta-feira movimentou um total de R$ 13,94 bilhões em investimentos que se converteram em novas usinas, totalizando 2,93 GW que estarão disponíveis a partir de 2023. A energia eólica representou por 26% da potência a ser instalada e por 49 dos 63 empreendimentos contratados.

Mesmo com a maior possibilidade de aquecimento do mercado, devido os preços baixos, esse é momento de maior fiscalização, como diz o diretor da ANEEL — Reive Barros dos Santos:

“O desafio agora é assegurar que as empresas entreguem no prazo estabelecido e na qualidade desejada. Esses preços mais competitivos vão ensejar a necessidade de um acompanhamento mais de perto para evitar uma situação, como a que se vê hoje, de empreendimentos revogados porque não conseguiram entregar.”

Um dos motivos que explica os preços competitivos gerados nos leilões foi a maior quantidade de empresas com bala na agulha. “Houve uma criatividade maior das empresas. Não se basearam só em financiamento de longo prazo do BNDES”, disse Luiz Barroso, presidente da EPE (estatal responsável pelo planejamento do setor de energia no país).

Fontes:
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/12/1944853-energia-eolica-e-solar-atingem-patamar-mais-baixo-de-precos-no-brasil.shtml
http://epe.gov.br/sites-pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-268/Informe%20Leil%C3%B5es%202017%20-%20Portugues.pdf
https://www.canalenergia.com.br/noticias/53045554/dominado-por-solar-leilao-a-4-termina-com-contratacao-de-2287-mw-medios


Postado em 23 de Março às 15h07

Redução de custos com energia elétrica em indústrias e propriedade rurais

Messtechnik | Instalação e manutenção de estações de medição anemométrica | Sensor e potencial eólico De acordo com os cálculos dos economistas do Itaú Unibanco, os combustíveis fósseis foram os maiores...

De acordo com os cálculos dos economistas do Itaú Unibanco, os combustíveis fósseis foram os maiores responsáveis pelo aumento da inflação em 2017. O aumento não foi ocasionado apenas pelo preço dos produtos em si, mas pelo aumento da carga tributaria, no caso da gasolina, e na mudança da bandeira tarifaria, no caso da conta de luz. Em face disso, as empresas vem buscando formas de melhorar a eficiência energética da planta e geração distribuída.

Geração Distribuída (GD) é uma expressão usada para designar a geração elétrica realizada junto, ou próxima, do(s) consumidor(es), independente da potência, tecnologia e fonte de energia. Os incentivos por parte do governo e o avanço de tecnologias para potências cada vez maiores têm aumentado a abrangência desses sistemas. A geração distribuída pode ser aplicada na forma de cogeração, geração de emergência, geração em horário de ponta, geração eólica e geração solar.

A cogeração consiste no processo através do qual se produz, de forma combinada, calor e eletricidade, ou eletricidade e refrigeração, a partir do uso de um combustível convencional (gás natural, óleo combustível, diesel e carvão). Com ela pode-se alcançar um aproveitamento de até 80% de energia contida no combustível. Esta energia pode ser transformada em vapor, eletricidade, força motriz e frio, sendo ainda possível a produção de gás carbônico (CO2) a partir da descarga dos gases de combustão.

Os sistemas de cogeração, tanto de biomassa quanto de gás natural, são ambientalmente sustentáveis, pois produzem baixos níveis de emissão e, além disso, possibilitam reduzir os impactos ambientais. Um sistema típico de cogeração consiste de um motor a combustão interna, uma turbina a vapor, ou uma turbina a gás, que aciona um gerador elétrico. Um trocador de calor recupera o calor dos gases de exaustão e/ou da água de arrefecimento do cilindro do motor para produzir água quente ou vapor. Podendo ser implementada para aquecimento de aviários e leitões em creche, secagem de grãos e aquecimento de aguá

A instalação de sistemas de geração com base em combustíveis renováveis, como eólica, solar, biomassa ou PCH’s permitem que o investidor reduza ou até elimine gastos com energia elétrica, podendo utilizar a energia gerada, por exemplo, na eletrificação de cercas, alimentação de maquinário, bombeamento de água, ou até mesmo, dependendo da potência instalada, no sistema de compensação de energia.

Fontes de pesquisa:
http://g1.globo.com/economia/blog/thais-heredia/post/energia-e-combustiveis-foram-viloes-da-inflacao-em-2017.html
http://www.inee.org.br/forum_ger_distrib.asp
http://www.techoje.com.br/site/techoje/categoria/detalhe_artigo/1894